Blog

Querem saber o meu TOP 5 de Cafés para Pequeno-almoço ou lanches mais saudáveis e nutritivos? Então, vejam este artigo! Uma das coisas que mais me perguntam, e que eu também mais partilho no meu instagram, são cafés com opções saudáveis para ir tomar o pequeno-almoço ou lanchar. Por isso hoje decidi partilhar com vocês o meu TOP 5 destes cafés na zona da grande Lisboa. Digam-me vocês também quais são os vossos! Top 5 Cafés:   Chia Juice Bar É um dos cafés que vou com maior frequência, sem dúvida! Por ser muito perto da minha casa, em Sintra e porque eu A-DO-RO! A nível de pequeno-almoço tem óptimos smothies , pudins de chia, panquecas, banana bread e as mais variadas Bowls. (É ZOMATO GOLD) A minha sugestão: Blue Bowl   Amélia Lisboa A verdade é que só conheci o Amélia, que está localizado em Campo de Ourique, há relativamente pouco tempo, mas rendi-me imediatamente ao espaço, ao ambiente e também à comida. A minha sugestão: Panqueca fit   O Botanista Para Vegans, Vegetarianos ou para o mais comum dos mortais que goste de comer

De todas as possibilidades que hoje em dia temos, qual é que é a certa? Aveia: Flocos, farinha ou farelo? Vamos já responder! Se hoje formos à Rua e perguntarmos a alguém qual é o alimento mais saudável que conhece, a probabilidade de essa pessoa responder “Aveia” é enorme. Hoje em dia a Aveia é um alimento da “moda”, mas que durante muito tempo não teve a atenção que merecia. A aveia trata-se de um cereal bastante nutritivo e com uma enorme versatilidade, incluindo-se facilmente em inúmeras receitas através das suas várias formas. Para além de ser uma excelente fonte de energia, é um alimento com alto teor de fibra, vitaminas e minerais. A sua composição nutricional faz com que seja um cereal com múltiplos benefícios, entre os quais o seu enorme índice de saciedade e a sua facilidade no controlo dos níveis de açúcar no sangue e colesterol, promovendo também o bom funcionamento do nosso Sistema Imunitário. Consequentemente pode ser um alimento benéfico para quem tem problemas de trânsito intestinal, pressão arterial e pode ajudar na prevenção de bastantes doenças crónicas. No entanto, é importante lembrar que para valorizar determinado alimentos devemos não só ter em consideração a sua composição nutricional, mas também a sua estrutura e propriedades físico-químicas, e é sobre isto que hoje vos venho falar. A aveia é um alimento ótimo, sem dúvida. Mas será que todo o tipo de Aveia tem as mesmas propriedades e os mesmo benefícios para o nosso organismo? A resposta é não! As propriedades da aveia variam consoante a estrutura em que esta nos é apresentada. Por isso, torna-se importante sabermos as diferenças entre flocos de aveia, farelo de aveia, farinha de aveia ou aveia instantânea, pois consoante os nosso objetivos e necessidades energéticas, este conhecimento pode levar-nos a fazer escolhas mais acertadas. Vejamos as diferenças: A aveia pode ser apresentada em flocos, que se tratando do grão integral da aveia prensado poderá ser considerada a opção mais completa. O grão integral inteiro apresenta o farelo, o embrião e o endosperma (Imagem 1). Imagem 1- Fonte da imagem 1 O endosperma é rico em amido (o Hidrato de Carbono da Aveia) , enquanto que o embrião da aveia é uma importante fonte de proteínas e lípidos. Já o farelo, que é também uma das formas em que a aveia se apresenta no mercado, trata-se do revestimento do grão que é rico em fibras, proteínas, lípidos, minerais, vitaminas e polissacáridos (destacando-se o β-glucano que

É Dezembro, é Natal! Queres Dicas para um Natal Saudável? Vamos a isso! Hoje em dia, o Natal não se cinge apenas ao dia 25 de Dezembro. O Natal começa dia 1 de Dezembro e às vezes, até antes disso! É mais que um dia, mais que uma época, o Natal já é um sentimento, um modo de estar, de viver e conviver! E por isso, nesta altura, em que há trocas de presentes e carinho, as pessoas reúnem-se em festas e convívios que se dão quase sempre à volta da mesa. Muitas pessoas têm o típico e ERRADO pensamento de "É Natal!" e é aí que se deixam de preocupar com o que comem, com o que fazem ao organismo, porque "é Natal" então "Não é época para restrições". E depois desta época? E depois do Natal? Vão "voltar à linha", vão voltar ao ginásio? Vão voltar às restrições? Lembrem-se que uma vida equilíbrio deve ter um pouco de tudo, podemos aproveitar esta altura de forma sã, tal como durante todo o ano que vamos tento convívios, festas e encontro. A diferença é que não são tão regulares. Então, faremos apenas um esforço para que o equilíbrio nesta altura seja ainda maior. E como? Como podemos ultrapassar esta época de uma forma Saudável? Deixo-vos 8 pequenas dicas de como viver esta época de forma mais Saudável e equilibrada: 1-Beber muita água – Lembre-se de beber muita água ao longo do dia. O Inchaço é causado pela desidratação pois o corpo apercebe-se da sua falta, então retém a toda a água que tem. Por isto, coloque um desafio a si mesmo e beba 8 copos de água por dia e mais um por cada bebida alcoólica que for ingerindo (dica: coloque 8 alarmes diários para os copos de água) . 2-Mexa-se depois das refeições – Depois das grandes refeições, não pegue em mais um copo de vinho e não se vá aninhar para o sofá. Levante-se, agasalhe-se e vá antes fazer uma caminhada. Desafie os seus companheiros do almoço, quer sejam eles colegas, amigos ou familiares e vá caminhar um pouco ao ar fresco. Esta actividade não tem apenas o fim de queimar as calorias ganhas ao almoço, mas sim fazer com que o seu corpo faça uma melhor digestão da sua refeição. 3-Sobremesas nutritivas – Nesta altura o leque de sobremesas oferecidas tem sempre uma grande excesso de açúcar. Opte pelas sobremesas mas nutritivas, isto é, as que apresentam

Será que o Sushi é Saudável? Ou será que o conceito de "saudável" está a ser confundido pela população no geral? Vamos falar sobre isto? Lê o artigo e vê as dicas que tenho para quem vai ao sushi. Sendo eu defensora de um estilo de vida saudável, considero-me “contra” os famosos “dias de lixo”. Um equilíbrio consiste em comer aquilo que gostamos e nos faz bem nas quantidades certas e nos momentos certos. Não sou a favor de um dia da asneira porque isso irá querer dizer que nos outros dias estamos em “restrição” e não acho que isso seja bom, nem para o nosso corpo, nem para a nossa mente. Saudável é tudo o que está a ser feito com conta peso e medida nas alturas certas. Por pensar assim e por, nos planos alimentares que prescrevo, não colocar um “dia da asneira” umas das perguntas mais frequentes é “Então, e quando vou ao Sushi?”. Pode o Sushi fazer parte de um estilo de vida saudável? Pode o sushi fazer parte de um leque de refeições equilibradas? Claro que sim, mas será que o sushi como é hoje em dia consumido, é interessante para quem quer perder peso? O Sushi é um prato tradicional japonês feito com peixe cru, arroz avinagrado, normalmente enrolado em algas e por vezes combinado com vegetais ou fruta. A sua versão mais contemporânea e ocidental, acabou por levar a uma perda da verdadeira dinâmica do Sushi Oriental que na verdade era por si só um prato bastante rico nutricionalmente com alto valor proteico, baixo em gorduras saturadas e hidratos de carbono simples, uma vez que o arroz não era consumido. No entanto, hoje em dia para além de se consumir o arroz, são acrescentados vários ingredientes às peças de sushi que o levam a tornar-se mais calórico e menos interessante. Ficam assim, algumas dicas de como tornar a sua refeição de Sushi num momento prazeroso, mas ao mesmo tempo saudável: Não ir ao Sushi com fome ou com a ideia de “Vou comer até sair a rebolar”. – Esta ideia de “é só de vez em quando” está completamente errada. Vai fazer com que coma mais quantidade, mais rápido e não vai dar tempo ao seu organismo de o avisar de que já está satisfeito. Não vale a pena fazer uma alimentação saudável toda a semana e chegar ao fim-de-semana e estragar tudo com “uma refeição de asneira” pois

Hoje venho falar sobre Alimentação Saudável e Sustentável e dar-te sete estratégias para que possas mudar alguns hábitos em prol da tua saúde e da saúde do ambiente. Quem me segue no Instagram, já deve ter ouvido falar do Greenfest, mas hoje venho partilhar com todos vocês o que é isto e o porquê de, ultimamente, ter feito publicidade a este evento. O Greenfest é o maior evento sobre Sustentabilidade que decorre em Portugal e distingue o que de melhor, no nosso país, se faz no âmbito da sustentabilidade, nas suas vertentes social, económica e ambiental. Enquanto jovem Nutricionista fui convidada para ser embaixadora deste evento que, este ano, vai ter lugar no Centro de Congressos do Estoril de 28 de Setembro a 01 de Outubro. Convite que aceitei com enorme prazer, visto que sou também defensora e promotora de um estilo de vida saudável que, assim acredito, deva englobar uma alimentação sustentável. Mas o que é isto de uma Alimentação Sustentável ( e Saudável) ? O conjunto de atividades industriais do processamento dos alimentos chama-se Indústria Alimentar. Esta, é tanto maior quanto maior a procura de alimentos da população. Uma vez que a população não pára de aumentar, a indústria alimentar tende a acompanhar este crescimento e a ser, também, cada vez maior. São dados da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO) que em 2050, a população será superior a 9 biliões e, como tal, será necessário produzir mais 60% de alimentos daqueles que são já hoje produzidos. Há uma necessidade cada vez maior da intensificação da Indústria Alimentar, elevando assim, a produção agrícola e animal. Se por um lado, esta intensificação, nos garante o acesso à alimentação, por outro tem um impacto bastante negativo no nosso ambiente. Vários estudos têm vindo a mostrar a pegada ecológica, de água e carbono, que a grande produção industrial de alimentos tem vindo a ter no Planeta Terra, nomeadamente a produção de alimentos de origem animal, como a carne e os lacticínios, que requerem elevadas quantidades de água e emitem grandes quantidades de gases com efeito estufa. Quanto maior for o caminho dos alimentos até ao nosso prato, maior o impacto que se dá no meio ambiente, pelo que deve ser dada preferência o consumo de alimentos que chegam até nós através de cadeias alimentares curtas. Isto é, alimentos como os pepinos da horta da vizinha ou o peixe pescado nas praias da nossa costa, devem

É possível viajar, ir de férias, viver fora e ao mesmo tempo manter um estilo de vida saudável? Como fazer uma alimentação saudável enquanto viajas? Vamos descobrir! Viajar, passear, férias! Quem não adora? Explorar o mundo, conhecer novas realidades, conhecer novas pessoas, conhecer melhor quem somos. Significa sair do conforto e amar o desconforto, o desconhecido. Descobrir novas paisagens, novas paixões. E para tudo isto, há algo que temos de quebrar, algo que temos de deixar para trás, e que em muitos pode criar alguma comichão. Do que estou a falar? Da nossa ROTINA. Para nos perdermos no mundo e nos encontrarmos mais a nós mesmos, precisamos de quebrar uma certa rotina que temos enraizada e que nos é tão confortável. E agora? Sem a nossa rotina? Como conseguimos manter os nossos hábitos saudáveis? Sem o nosso ginásio a quinze minutos de carro? Sem o nosso mercado para comprar produtos frescos todos os dias? Sem a nossa hora de almoço certinha com a refeição naquele tupperware? E sem lancharmos duas horas certinhas, depois? Conseguimos manter o nosso estilo de vida saudável sem a nossa rotina diária? SIM CONSEGUIMOS!!! Porque na verdade ter um estilo de vida saudável é muito mais que essa rotina! E isso é o primeiro ponto que temos de ter na nossa mente: Se somos saudáveis numa parte do mundo, conseguimos sê-lo no resto do mundo. E isto é certinho como o destino (não estivéssemos nós a falar de destinos!). Ser saudável e ter um estilo de vida saudável não significa que não possamos experimentar um prato novo de vez em quando, não significa que não possamos atrasar ou adiantar o exercício físico do final da tarde para vermos um lindo e espetacular pôr-do-sol. Bem pelo contrário, ser saudável é também saber aproveitar tudo, o que de incrível, o mundo tem para nos oferecer! Conseguimos ser saudáveis sem as nossas clássicas papas de aveia de manhã e sem o nosso ginásio ao final do dia? Sim, claro que conseguimos! Como? Para explicar melhor, darei o meu exemplo: Quando vim para Moçambique toda a gente me dizia a mesma coisa ao chegar: Prepara-te para engordar, Bárbara!. Claro que eu estava assustada! Não pela parte de engordar, mas por, eventualmente, não conseguir manter o meu estilo de vida saudável. Sabia que não ia ter o meu ginásio, mas sou uma pessoa motivada e focada e decidi logo que teria de arranjar um método para manter a minha rotina,

Foi ao Nutricionista e tem um Plano Alimentar a seguir para perder peso? Ótimo, já está a começar num bom caminho. Agora o que tem a fazer é forcar-se no seu objetivo, não o deixe para segundo plano NUNCA. Ele faz parte de si agora, esse plano é você! Ficam assim 4 dicas simples para que o sucesso desse Plano Alimentar seja mais facilmente alcançado: Pratique Atividade Física- Se acha que vai perder peso só com uma alimentação saudável está bastante enganado. Alimentação Saudável e a Prática de Atividade Física estão sempre ligadas. Alcançar o seu peso ideal, depende de ambas! Há várias formas de o começar a fazer, é uma questão de experimentar várias atividades e praticar a que lhe dá mais prazer. (Motive-se aqui ) Escreva – Tenha sempre consigo um caderninho onde vai apontado tudo o que vai comendo, faça um Diário Alimentar. Aponte TUDO. Este caderno é seu e só seu, por isso, sem vergonhas, aponte tudo aquilo que vai comendo ao longo do dia. Desta forma, vai conseguir ter uma ideia clara dos seus erros e dos seus sucessos. Lembre-se que são os erros que nos fazem perceber aquilo que temos de alterar, não tenha medo de errar! Não tenha medo de escrever que comeu mais do que devia ao almoço, porque só assim vai conseguir perceber aquilo que o está a impedir de alcançar o sucesso. Para além de anotar aquilo que consome, anote também aquilo que vai sentido, escreva frases de motivação para si próprio e escreva aquilo que o fez começar VÁRIAS VEZES. Aprenda a ler rótulos – Aprenda a ler rótulos para fazer escolhas inteligentes (aprenda aqui). Só assim vai conseguir cumprir um plano alimentar com prazer. Não precisa de comer o que não gosta, e não tem de deixar de comer o que mais gosta. Pelo menos, não de uma forma radical. Podem ser feitas escolhas inteligentes no supermercado, se souber como ler o rótulo de um produto alimentar. Por falar em supermercados, lembre-se: desembale menos e descasque mais & NUNCA vá às compras com fome. Transforme-se – Não mude, transforme-se. As mudanças acabam por desaparecer. As transformações permanecem. Altere aquilo que acredita, aquilo que você é. Não diga estou em dieta, transforme sim os seus hábitos alimentares. Não espere atingir um objetivo para poder voltar ao que era! O seu objetivo não é um peso. O seu objetivo é uma transformação, naquilo

Neste artigo vamos falar sobre que é o Mindful Eating e sete hábitos para te alimentares de forma mais consciente. Quem já se deu conta de que muitas vezes projeta emoções na alimentação? E que isso o pode levar a momentos de alimentação compulsiva e inconsciente? Mindful eating é o termo utilizado quando queremos falar sobre alimentação com consciência, com atenção plena ao que temos no nosso prato. A alimentação é muito mais do que aliviar a sensação de fome. Muito mais do que aliviar a sensação de tristeza ou dor. Antes de mais, serve para nutrir o nosso organismo. O seu objetivo principal é dar ao nosso corpo aquilo que ele necessita. Leia bem, aquilo que ele necessita! Não aquilo que ele pede, porque muitas vezes achamos que o nosso organismo pede coisas e que por isso lhe devemos fazer a vontade, e nem sempre é assim! “Estou mesmo a precisar de um doce!” – Quantas vezes já pensou isto? E será que precisava mesmo? Acha mesmo que as suas células estão a pedir açúcar para funcionar? Ou será que é o seu cérebro a pedir consolos emocionais? É importante saber controlar a busca de compensação emocional na alimentação. É preciso encontrar mecanismos que nos façam saber gerir a nossa inteligência emocional de forma a não a projetar nos alimentos e para isso temos de ter consciência, muita consciência, no ato da alimentação. 1- Comer lentamente – O primeiro, e talvez o mais importante hábito a ser modificado é a velocidade com que se alimenta. Leve tempo para se alimentar, saboreie a comida com calma. Desta forma, dará tempo suficiente ao seu cérebro para reconhecer que já está cheio e que não necessita de mais comida. 2- Aprenda a reconhecer quando está realmente com fome – Muitas vezes olhar para um bolo no café achamos que de repente ficamos com fome. Será que ficamos? Aprenda a entender quando está de facto com fome. Lembre-se que é importante alimentar-se mesmo antes de “estar a morrer de fome”, por isso oiça o seu corpo e responda às suas reais necessidades que lhe serão alertadas de formas individuais. Aprenda a reconhecer os seus sinais pessoais de fome. 3- Desenvolva ambientes saudáveis de refeição – Quem já almoçou com uma mão no volante e a outra dividida entre as mudanças e uma sandes? Muitas vezes o stress do dia-a-dia leva-nos a não termos tempo para nos sentarmos e apreciarmos o tempo